A Arte Sublime

Rubens Caldeira Monteiro e Larissa Machion

(Texto elaborado para o 7o RIPIAR (Confraternização de Mocidades Espíritas da Regional Rio Claro), 2a Assessoria do Depto. de Mocidade da USE-SP.)

A arte é um dos meios de manifestação do espírito. Pintura, música, escultura, literatura (em prosa ou verso), dança, teatro, artesanato em geral e outras tantas formas de expressões compõem o quadro do que chamamos genericamente de arte.

Existem diversas formas de se classificar as artes, por seu período, por seu contexto, por região geográfica etc. A arte ainda pode ser dividida segundo os critérios:

A Arte Histórica é aquela que tem valor expresso pelo seu contexto histórico, por estarem suas obras relacionadas a eventos sociais e econômicos e movimentos culturais. A arte rupestre, mais precisamente a pintura, que tinha muitas vezes por fim materializar os anseios e retratar os feitos na caça do homem nos seus primeiros passos na postura bípede, foi uma das primeiras manifestações artísticas do ser humano, juntamente com as primeiras palavras, a imitação dos sons da natureza e ferramentas rudimentares.

Arte Estética é a busca do Belo; nas cores das pinturas, formas das esculturas, na harmonia das notas, nos movimentos precisos. Talvez sua expressão máxima tenha se dado na escultura da arte greco-romana e a pintura do Renascimento.

Zelando pela técnica mais apurada a Arte Técnica faz experiências com novos materiais, efeitos, ritmos e perspectivas. As sombras e cores, o desenvolvimento das ferramentas mais aprimoradas e dos instrumentos mais refinados, a busca pelo efeito desejado, o melhoramento da manipulação da matéria e dos meios de comunicação conforme a evolução do espírito criador.

A Arte Doutrinária é o meio do artista transmitir para o seu admirador uma idéia, uma doutrina, seja qual for sua natureza ou caráter. Muitas vezes expressa claramente o sentimento desse artista em relação a uma determinada situação, como o Guernica de Pablo Picasso sobre a Guerra Civil Espanhola. As diversas religiões utilizaram-se dessa arte, podendo neste caso ser chamada de Arte Sacra, para tornar real seus dogmas, permitindo aos seus fiéis a compreensão, ainda que parcial, de sua doutrina. Entre essa uma das mais expressivas foi a pintura do Catolicismo e a arquitetura gótica, mas também as mandalas e esculturas do Budismo ou mesmo a arquitetura do Egito Antigo ou Hinduísmo. Encaixa-se também nesta arte inumeráveis obras literárias, o meio de divulgação de idéias mais utilizado nos últimos tempos.

A Arte Moral é aquela que transmite a elevação do espírito que a criou, tocando o coração daqueles que a admiram por sua harmonia e beleza, mas também pelos sentimentos que carrega. Esta arte, acima de tudo, contribui para a evolução moral daquele que a cria como daquele que a desfruta. Este é o efeito produzido pelas obras de Bach, Mozart, Beethoven, Rossini entre outros, que penetram fundo na alma, enlevando-a, desprendendo-a da matéria, de tão harmoniosas vibrações que transmitem. A Arte Moral tem sempre como tema central o Amor Divino e como objetivo a busca da perfeição e da felicidade infinita proporcionadas pelo Criador.

A Arte Sublime é aquela almejada pela chamada de Arte Espírita, ou seja, a reunião de todos os aspectos da arte: habilidade nas técnicas para melhor domínio sobre a matéria; a produção do belo, que impressiona positivamente todos os sentidos; a grandeza de intenções e sentimentos depositados sobre a arte, visando transmitir idéias e doutrinas que elevem a vibração do espírito; e a conseqüente importância histórica por ter sido uma arte promotora da evolução da humanidade.

(Publicado no Boletim GEAE Número 424 de 21 de agosto de 2001)