Nossos Filhos

Vera Meira Bestene

O Programa Momento Espírita, divulgado pelas Rádios Gazela Líder FM, Difusora e Alvorada, em Ondas Médias e Tropicais, que vai ao ar diariamente, é um programa de 5 minutos, que, em parceria com a Federação espírita do Paraná, coloca o Espiritismo ao alcance de todos. Ouvia pela manhã, indo ao trabalho, um tema que me fez pensar no que escutei.

Nós, pais, temos uma missão muito importante relativamente a nossos filhos. Nossa responsabilidade para com estes seres que nos são dados em guarda, é imensa. Entretanto, por falta absoluta de paciência, muitas vezes utilizamos frases ásperas e pessimistas; frases infelizes, no trato com nossos filhos, sem, no entanto, nos darmos conta de que uma colocação errada pode vir a gerar um problema sério na formação do caráter e personalidade da criança.

Tantas vezes dizemos: "Como você pode ser tão burro?" ou mesmo "Você não faz nada certo. " Frases que põem em dúvida a capacidade da criança. Provocando uma destruição da auto-estima e conseqüências desastrosas para o auto-conhecimento. A criança que recebe este tipo de "entusiasmo" e "incentivo" pode vir a adotar, a abraçar este conceito como verdadeiro e se comportar como tal.

Outras tantas vezes falamos sem pensar: "Já não falei que é perigoso? Você não aprende? " Aquela criança ouve muitas frases neste tom "de verdade" que a faz crer serem verdadeiras. Melhor que esta explosão de impaciência, seria tomar a criança e voltar a explicar que se ela se pendurar na janela , ela poderá cair e relatar os demais perigos que a atitude dela pode acarretar. Mas não temos o suficiente controle para isto. Não temos paciência, somos tão imperfeitos...

Mas precisamos nos esforçar para melhorar. Nossos filhos precisam de frases de incentivo, que os leve para cima, que os faça buscar mais conhecimentos e se sintam importantes para nós.

Todos almejamos que nossos filhos progridam. Precisamos parar de lhes colocar obstáculos. É tempo de dispensarmos situações que nosso stress fale mais alto. Educar é tarefa árdua, requer esforço, dedicação e precisamos promover a educação em nós mesmos para que possamos, assim, educar nossos filhos, oferecendo-lhes um clima de amor, segurança, tranqüilidade e respeito, podendo assim vislumbrar um adulto feliz.

(Publicado no Boletim GEAE Número 348 de 8 de junho de 1999)