Novo Testamento, Porque e Para Que Estudá-lo à Luz da Doutrina Espírita

Cláudio Fajardo

"O Evangelho não se reduz a breviário para genuflexório. É roteiro imprescindível para a legislação e administração, para o serviço e para a obediência." (Emmanuel: Caminho, Verdade e Vida, Introdução)

"O Evangelho é o Sol da Imortalidade que o Espiritismo reflete, com sabedoria, para a atualidade do mundo" (Emmanuel: Vinha de Luz, Introdução)

Informa a questão 132 de O Livro dos Espíritos, que o objetivo da encarnação do Espírito é fazê-lo atingir a perfeição.

Pelo que temos estudado, evolução no que diz respeito às questões espirituais, é a desmaterialização da criatura, e como conseqüência a aproximação desta do Criador. É o deixar de ser filho de Deus, para fazer-se Filho de Deus.

Em momento algum deve ser cobrado do espírita nos níveis atuais de nossa evolução a perfeição moral, mas todos nós devemos primar pela coerência. E são os próprios Espíritos que afirmam, na questão 625, de O Livro dos Espíritos, que Jesus é o tipo mais perfeito que Deus nos ofereceu para nos servir de guia e modelo.

E o que Jesus veio nos trazer foi simplesmente o caminho para atingir o nosso objetivo a nível de encarnação. Ele mesmo afirmou: Eu sou o caminho, e a verdade, e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim. (1)

Em consonância com o que a Doutrina Espírita afirma sobre o evoluir, Ele, o nosso Mestre Maior, já dizia, quando em visita às irmãs de Lázaro: Marta, Marta, estás ansiosa e afadigada com muitas coisas, mas uma só é necessária; Maria escolheu a boa parte, a que não lhe será tirada, (2) mostrando que a parte mais importante é aquela que nos conduz ao nosso aperfeiçoamento espiritual.

Ora, se Jesus é o nosso guia e modelo, e ninguém vai ao Pai senão através Dele, consideramos obrigatório para todo espírita, o estudo do Evangelho, que é onde encontra-se toda a sua Moral.

Ademais, Ele mesmo, quando se referiu ao Consolador, alertara: Mas aquele Consolador, o Espírito Santo, que o Pai enviará em meu nome, esse vos ensinará todas as coisas, e vos fará lembrar de tudo quanto vos tenho dito.(3) Portanto, vemos que um dos objetivos do Espiritismo é fazer lembrar aos homens os ensinamentos cristãos, e como fazer isso sem o conhecimento do conteúdo do Novo Testamento?

Allan Kardec, ao brindar a Humanidade com O Evangelho Segundo o Espiritismo, não quis, em hipótese alguma, tornar desnecessário o estudo do Novo Testamento; sua intenção foi fazer, através desta, que é sem dúvida uma das obras mais importantes de todos os tempos, uma ligação definitiva entre a Doutrina Espírita e a moral cristã. Quis nos dar a chave para interpretar as sábias lições do Novo Testamento.

É ele mesmo o grande Codificador do Espiritismo quem diz:

Se o Cristo não pôde desenvolver o seu ensino de maneira completa, é que faltavam aos homens conhecimentos que eles mesmos só podiam adquirir com o tempo e sem os quais não o compreenderiam; há muitas coisas que teriam parecido absurdas no estado dos conhecimentos de então. Completar o seu ensino, deve-se entender no sentido de explicar e desenvolver, não no de ajuntar-lhe verdades novas porque tudo nele se encontra em estado de gérmen, faltando-lhe só a chave para se apreender o sentido das palavras.(Grifo nosso) (4)

Podemos afirmar que o Evangelho é o manual de vida do homem.

Quando compramos um carro, ou um eletrodoméstico, recebemos do fabricante um manual que nos proporciona, se lido e colocado em prática, um melhor desempenho do aparelho. Se contrariarmos as determinações do fabricante, podemos estragar o bem e comprometermos a sua real finalidade.

Desta forma é o Evangelho. Deus permitiu que o Cristo encarnasse entre nós, para nos dar o manual da Vida Eterna. Eu vim para que tenham vida, e a tenham com abundância(5), diz Ele. Toda vez que contrariamos seus ensinamentos, colocamo-nos em xeque, comprometendo-nos diante das Leis Universais. Por isso, estudar o Evangelho e vivenciá-lo, é encurtar o caminho da nossa evolução.

Portanto, afeiçoemo-nos ao Evangelho, pois o Espiritismo não é simplesmente um campo de experimentação fenomênica. Conforme o dizer de Emmanuel:

O Espiritismo, sem Evangelho, pode alcançar as melhores expressões de nobreza, mas não passará de atividade destinada a modificar-se ou desaparecer, como todos os elementos transitórios do mundo.

É imprescindível conhecer o bem para que os ensinamentos do bem nos aperfeiçoem a vida íntima.

Nós os Espíritas vinculados com Allan Kardec ao Cristianismo puro, não podemos prescindir do contato com o Divino Mestre, através das lições com que nos dirige a renovação para as Esferas Superiores.

Estudemos pois o Evangelho (...) (6)

Notas

(1) João, 14: 6
(2) Lucas, 10: 41 e 42
(3) João, 14: 26
(4) A Gênese cap. I item 28
(5) João, 10: 10
(6) Estudando o Evangelho. Martins Peralva, Prefácio

(Publicado no Boletim GEAE Número 407 de 26 de dezembro de 2000)