Religião, Cristianismo e os significados das palavras

Carlos Alberto Iglesia Bernardo

Religião: 1 - Crença na existência de força ou forças sobrenaturais; 2 - Manifestação de tal crença pela doutrina e ritual próprio; 3 - devoção(mini dicionário Aurélio - editora Nova Fronteira - 2.a edição)

Sobrenatural: 1 - Não atribuído à natureza; 2 - Relacionado com fenômenos extra terrenos; 3 - Sobre humano; (mini dicionário Aurélio - editora Nova Fronteira - 2.a edição)

Cristianismo: O conjunto das religiões cristãs, i.e., baseadas nos ensinamentos, pessoa e vida de Jesus Cristo.(mini dicionário Aurélio - editora Nova Fronteira - 2.a edição)

A língua é um veículo de comunicação, e a fala é o uso desse veículo por um dado indivíduo numa ocasião dada. Semântica, Stephen Ullman, FundaçãoCalouste Gulbenkian.

O significado completo e o tom de certas palavras só podem ser captados se os colocarmos de novo no contexto cultural do período: O rex latino não é um equivalente exato do king inglês ou do roi francês; a partir da queda da monarquia, nos primeiros tempos da história romana, adquiriu um matiz odioso e tornou-se o símbolo da tirania. Semântica, Stephen Ullman, Fundação Calouste Gulbenkian.

Sem entrarmos detalhadamente na teoria da comunicação, todo transmitir de informação envolve três elementos:A fonte da informação, o meio de transmissão e o receptor. Para que a transmissão seja efetiva, há necessidade de que fonte e receptor possam interpretar a informação recebida, que concordem no modo em que a informação é codificada.

Na troca de informações entre seres humanos, a linguagem é essencialmente uma forma de codificação da informação, e os significados das palavras são o código compartilhado. Um código não muito preciso e que normalmente é compartilhado de forma inconsciente. Concordamos com o significado das palavras, porque crescemos em um contexto histórico-cultural em que elas tem um determinado significado compartilhado por todos. Também concordamos, porque passamos por um processo educativo em que aprendemos a usar as palavras dentro de determinados limites.

Assim quando "comunicamos" alguma informação,"vestindo" nosso pensamento com um conjunto de palavras, selecionamos dentre as que - frente a nossa experiência e formação cultural- correspondem ao que queremos transmitir. Inconscientemente selecionamos as mais adequadas, não só ao assunto, como ao nosso "interlocutor".Quanto maior a "concordância" no significado do código, maior é a compreensão - a transmissão fiel das informações.

Nossa capacidade de codificar um pensamento em palavras, não só é proporcional ao nosso domínio da língua,como também da nossa capacidade de pensar com clareza. Não é possível codificar corretamente um pensamento vago, do qual nem o próprio autor sabe discernir claramente do que está falando. Neste processo de codificação, em que muitas das informações para decodificação ficam subentendidas, é de suma importância o contexto em que a informação é transmitida. Até hoje, as pesquisas na área de informática para interpretação automática de textos e fala esbarram nessa dificuldade.

Algumas idéias são codificadas precisamente em palavras, não há muita ambigüidade quando se fala de substantivos concretos como "água", "pedra" ou "fogo" - experiências sensoriais diretas - por outro lado é quase que certeza que conceitos abstratos como "amor", "amizade", "beleza" ou "perfeição" dariam páginas e mais páginas de discussões acirradas.

Curiosamente, nós normalmente não nos apercebemos deste aspecto da comunicação e julgamos que nossa fala é precisamente o reflexo de nossas idéias e que será decodificada pelo nosso interlocutor com a maior eficiência. Não nos apercebemos que muitas vezes pensamos uma coisa, dizemos outra e nosso interlocutor entende ainda outra diferente. Na prática, no dia-a-dia, as diferenças são tão pequenas que não chegam a constituir maiores empecilhos, porém a questão assume outras proporções quando do jogo de palavras dependem eventos maiores que somente nossas ocupações corriqueiras. Nos grandes debates filosóficos e religiosos a perfeita compreensão mútuas e torna a premissa básica para resultados frutíferos.

Um exemplo bastante acessível disso é a própria palavra "RELIGIÃO". Quando estamos discutindo sobre religião com outra pessoa será que estamos discutindo a mesma idéia de "RELIGIÃO"? Significará RELIGIÃO a mesma coisa para um brasileiro e para um espanhol? Um hindu e um ocidental estariam falando da mesma coisa ao usar a mesma palavra? Mesmo dois brasileiros de formação diferente - um de família protestante e outro de família espírita por exemplo - estariam traduzindo pela palavra a mesma idéia?

Mais curioso ainda com esse exemplo é o potencial de divisão nos grupos sociais que essa "codificação" imprecisa traz. Há grupos espíritas que se dividem porque uns vêem o Espiritismo como filosofia e ciência de conseqüências religiosas e outros o vêem como de conseqüências morais. Uns associam a palavra "Religião" a todo o histórico negativo de manipulação do ser humano pelos poderes religiosos e se insurgem quanto a simples possibilidade de lhes ligar a uma "Religião", enquanto outros vêem na "Religião" a ligação do homem com Deus e com a criação (que nada tem de sobrenatural, outra palavra com muito a discutir).

Para uns, não ter "Religião" significa ser ateu, para outros ser "livre pensador" - não ser ligado a um culto organizado especifico.

Outro exemplo rápido: O que é "Cristianismo"? Talvez alguns digam que é a adoração ao Cristo! Mas foi esse o sentido original, quando o nome foi atribuído aos discípulos de Jesus Cristo (do grego, traduzindo um pouco mal o sentido do Messias hebraico), ainda na antiguidade? Esse sentido para a palavra não é derivado de um fator histórico posterior, quando a igreja de Roma assumiu a hegemonia dentre as diversas correntes cristãs dos primeiros séculos (haviam até os cristãos de Jerusalém que seguiam todos os preceitos mosaicos)? Não seria cristão, no verdadeiro sentido da palavra, aquele que segue os ensinamentos de Jesus, independentemente se crê ou não que ele é Deus (ou parte de uma trindade)?

Pois há quem diga que os espíritas não são cristãos por não termos "culto" a Jesus e espíritas que querem dissociar Espiritismo e Cristianismo, pois acham que este prejudica a universalidade - Como se "Amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo com a sí mesmo" não fosse universal!

Enfim, é importante que tenhamos em mente que a "letra mata, mas o espírito vivifica" - que saibamos, quando estamos nas discussões de estudo, das naturais limitações do meio de comunicação e não caiamos na armadilha de nos desentendermos porque estamos falando de coisas diferentes. Muita tinta e muito sangue já correu na história por causa dos significados diferentes de uma palavra (é claro que sempre atiçados por outros interesses além do esclarecimento fraterno). De codificações erradas - e ambições mal-conduzidas - já surgiram até cismas religiosos ...

"As palavras nos importam pouco. A linguagem deve ser formulada de maneira a se tornar compreensível. As dissensões humanas surgem porque sempre há desentendimentos sobre as palavras, pois a linguagem humana é incompleta para as coisas que não lhes ferem os sentidos". Resposta dos Espíritos a questão 28 do Livro dos Espíritos, Cáp. II - Elementos Gerais do Universo.

Atenciosamente,

Carlos Iglesia

(Publicado no Boletim GEAE Número 404 de 14 de Outubro de 2000)