Por que o medo?

Orson Peter Carrara

É comum o "abaixar de cabeças" e o silêncio tumular, quando surge a pergunta: "Quem gostaria de fazer a prece?" Por que o medo?

Medo ou timidez, insegurança ou ausência de convicção?

A prece deve ser algo que brota do coração. Não deve haver preocupação com as palavras, mais deixar que flua o sentimento. Senti-la, eis o segredo.

Muitas pessoas se inibem em público. Isto é natural. Mas, vençamos o medo de abrir o coração em público. Que sejam nossas palavras, aquilo que somos. Falemos do que estamos sentindo, voltando-nos para o Criador, a Jesus ou aos Bons Espíritos, sempre presentes. Não nos preocupemos com a duração da prece, nem com a concordância, nem com as palavras, nem com o que os outros vão pensar da nossa prece. Façamos a prece, quando convidados a ela.

É tão bonito e salutar orar! A prece ameniza o ambiente, tranqüiliza as pessoas, faz bem a quem a profere com sentimento e beneficia a todos que estão sintonizados com ela.

Nas tarefas do Centro, tenhamos a iniciativa de nos oferecermos para a prece. Isto é belo! Denota a confiança em Deus. Mostra como valorizamos o ato de orar.

Estamos num ambiente de amigos, porque a timidez ou a vergonha?

Fiquemos alguns instantes em silêncio, pensemos na bondade divina, no amor de Jesus, na presença dos bons espíritos e deixemos que o coração dite as palavras. No começo talvez tenhamos alguma dificuldade, mas depois acostumamos. Porque se intimidar só porque há os mais experientes presentes? Isto em nada diminui o valor da prece, pelo contrário ensina e contagia aos demais.

Preparemos a prece com a leitura rápida de alguma frase ou mensagem, aquela costumeiramente distribuída à entrada. Depois de ler calmamente uma mensagem breve, concentremos a atenção na finalidade de orar, elevemos o pensamento a Deus e deixemos que o coração fale da nossa vontade de ser útil, do desejo de que todos ali sejam beneficiados e que nosso pensamento possa beneficiar criaturas ausentes enfermas e outros infelicitados pela dor. Oremos pelo ambiente, pela Casa que nos proporciona o estudo da Doutrina Espírita, pelos companheiros presentes, por nós mesmos, pela cidade, etc.

Será um momento único em seu dia. Você verá o quanto faz bem…