A conquista de virtudes

Orson Peter Carrara

de Mineiros do Tietê, SP

Um dia desses, estudando as questões 893 a 906 de O LIVRO DOS ESPÍRITOS, na reunião de estudos do Centro Espírita, aplicamos uma dinâmica (que inclusive ora transformamos em artigo, já usando a técnica em palestras), com bons resultados e aproveitando o pensamento exarado pelo escritor ADENÁUER NOVAES em seu livro PSICOLOGIA E ESPIRITUALIDADE (edição da Fundação Lar Harmonia).

Após os comentários diversos que as perguntas acima ensejaram, com ampla participação do público, relacionamos algumas virtudes e suas definições, em pequenas papeletas. De um lado o nome da virtude, como por exemplo BONDADE, DETERMINAÇÃO, etc. e no verso a definição apresentada por aquele autor.

Cada participante deveria escolher uma virtude (haviam naquela oportunidade 13 relacionadas), aquela que mais lhe chamava a atenção e principalmente ele muito admirava em alguém que conhecia, sem citar nomes.

O participante escolheu uma virtude, leu em voz, fez os comentários que achou devido e abriu à participação dos demais. Aí é que ficou bom, pois toda a platéia motivou-se a apresentar exemplos e fazer comentários alusivos à virtude citada. Isto ocorreu com todas as demais 13 virtudes apresentadas. Foi um estudo ótimo, pois a dinâmica teve excelente aceitação e participação do público.

Ao final, a surpresa do pensamento do autor acima referido. Após todos terem lido as virtudes que admiravam, foi apresentada a conclusão de "que toda virtude que admiramos em alguém é porque a possuímos, mesmo que de forma rudimentar, podendo desenvolvê-la", usando o velho chavão de projeção inconsciente de que todo defeito que acusamos em alguém, é porque também o possuímos. O oposto também tem fundos de verdade. O efeito foi muito bom, porque ninguém esperava a conclusão. E o mais interessante é que as escolhas tiveram bom índice de acerto e concordância com a realidade de cada pessoa. Se a conclusão fosse apresentada no início, talvez houvesse a natural inibição…

As definições do autor são de grande profundidade, necessitando serem lidas em voz alta por várias vezes, para boa absorção de seu conteúdo. Todos saíram da reunião muito leves e felizes. Um efeito ótimo!

Dizemos isso para transmitir ao Movimento uma experiência aqui utilizada com bons resultados, que repetimos, transformamos em palestra. E o mais surpreendente da reunião é que naquele dia não se falou em espíritos, mediunidade ou outros temas ligados à Doutrina. Tudo ficou por conta da renovação pessoal, como a indicar os objetivos da Doutrina, bem como sua abrangência em favor do homem.

Gostaria de sugerir aos expositores e coordenadores de grupos de estudos, o uso da técnica. Além da motivação à participação, ela permite bom aprofundamento no estudo das questões referidas de O LIVRO DOS ESPÍRITOS. E o livro citado pode ser adquirido pelo fone (0 XX) 71 363 4485 ou pelo E-mail: funlar@svn.com.br.

Incrível a capacidade e grandeza desta Doutrina, esperando que aprofundemos seu estudo, para sua compreensão. Não percamos tempo, lancemo-nos ao estudo e motivemos nossos grupos, espalhando o conhecimento.

(Jornal Verdade e Luz Nº 174 de Julho de 2000)