A Literatura do Evangelho

Domério de Oliveira

de São Paulo, SP

"La littérature est l’expression de la sociÉté, comme la parole est l’expression de l’homme". (Louis de Bonald - de 1754 usque 1840 - "Pensamentos).

O nov Dicionário do Aurélio esclarece-nos que "literatura é a arte de compor e escrever trabalhos artísticos em prosa e verso"; também: "o conjunto de trabalhos literários de um País ou de uma época".

Encontramos a literatura em todos os recantos do nosso mundo. Se volvermos nossos olhos para os dias do passado longínquo, vamos encontrar o berço da literatura nos Países orientais, depois, podemos contemplar a formosa literatura latina, da antiga Roma, época dos grandes Poetas e Escritores, tais como: Virgílio, Horácio, Ovídio, Tácito, Suetônio, Juvenal, Cícero e tantos outros. Também, encontramos, nas eras bem remotas, a literatura da idade média, ou medieval que consagrava, em ricos Poemas, cantados pelos Trovadores, os grandes feitos heróicos dos Guerreiros e seus violentos amores, época em que viveu Dante Alighieri, o célebre autor da Divina Comédia. Naqueles dias, que já se vão bem longe, brotou a literatura da Renascença que chegou até nós com peças teatrais clássicas, tendo à frente o gênio de Willian Shakespeare. Mais tarde, é de se registrar a literatura dos séculos XVIII e XIX, quando aventaram os grandes filósofos, os Eminentes Escritores e Poetas que brindaram o mundo com as suas produções maravilhosas. E, agora, no nosso século XX, a literatura toma um colorido científico, torna-se mais objetiva e procura sondar o aspecto transcendental da vida.

No campo da religiosidade, despontam-se as literaturas Espírita, Católica, Protestante e de outras seitas. Cada uma, procurando divulgar suas próprias idéias, servindo à uma causa diferente. Podemos dizer, que existe uma literatura evangélica de caráter universal. Cumpre-nos esclarecer que, desde o advento do Cristianismo, essa literatura universal, sem medir esforços, vem nobremente servindo à causa evangélica. Essa literatura vem relatando fatos de Jesus e seus apóstolos.

Meus amigos, dos Evangelhos emana aludida literatura, luminosa de grande valor, abrindo clareiras no matagal do materialismo. Sim, o Sermão da Montanha é uma página literária de comovente beleza. Os Salmos, os Provérbios, as Epístolas de Paulo, as Parábolas do Mestre Jesus, as Palavras dos Evangelistas, por certo, são páginas literárias brilhantes que, no conjunto, estruturam uma Verdadeira Literatura que encanta pela sublimidade dos ensinamentos. Essa literatura do Evangelho traduz uma imortal beleza que venceu dois mil anos de lutas e incompreensões para chegar até nós, pura e imaculada, com o propósito sublime de engrandecer a nossa Mente, de aliviar as nossas dores e de iluminar os nossos passos.

A nossa literatura espírita possui um vasto e imenso repertório bibliográfico. Só pelo crivo mediúnico do nosso Chico Xavier já passaram mais de 407 obras psicografadas. Sim, foram os Espíritos que, ditando as obras básicas a Allan Kardec, criaram definitivamente a literatura espírita. Assim sendo, a literatura espírita, desde há um século, vem oferecendo ao mundo não só o produto dos seus Escritores e Pensadores humanos, mas, também, páginas sublimes de instruções evangélico-espíritas ditadas do Além por eminentes e Cultos Espíritos através das faculdades de Médiuns possuidores do Dom Especial de Psicografia Literária.

Meus amigos, a literatura mediúnica, quando autêntica, é sempre bela, apresentando moral elevada. É instrutiva, séria, artística, lógica, digna, sensata, consoladora, atraente e edificante. Não possuindo tais características, torna-se uma literatura apócrifa e merece, de plano, ser rejeitada.

Meus amigos, como acabamos de ver, "per summa cápita", a literatura do Evangelho, que se desdobra em múltiplos matizes, é tão ampla como o vasto oceano. Cumpre-nos a travessia das águas deste oceano. Sim, para uma feliz travessia, temos que nos valer dos Barcos das Boas Leituras e temos que nos arrimar nos remos da nossa Boa Vontade. Só, assim, poderemos alcançar as praias diáfanas e bordadas de Luz.

(Jornal Verdade e Luz Nº 179 de Dezembro de 2000)