Chico Xavier - Uma lição de Vida

Joanira Necas Soares

de Ribeirão Preto, SP

Francisco Cândido Xavier nasceu a 02 de abril de 1910, em Pedro Leopoldo, Minas Gerais, que no final do século foi um antigo lugarejo chamado "Cachoeira das Três Moças".

Seus pais: João Cândido Xavier e Maria João de Deus, ele, homem simples que ganhava o sustento da família com um pequeno salário de vendas de bilhetes de loteria. Sua mãe mulher sensível, trabalhadora do lar, com dedicação total e especial à família.

Chico Xavier passou toda sua infância em Pedro Leopoldo, ficou órfão de mãe aos cinco anos de idade e passou a viver com sua madrinha, D. Rita de Cássia que cuidou dele por dois anos, tempo que durou a viuvez de seu pai.

No transcorrer desses dois anos Chico experimenta o sabor amargo da saudade da mãe querida, da perversidade da madrinha, da incompreensão que gira em torno de suas visões e se desenvolve todo o preparo da humildade que se descortina no transcorrer de sua vida e obra mediúnica, marca de um século como o grande fenômeno parapsicológico, admirado e respeitado por todo o mundo.

A 1.ª vidência acontece aos cinco anos quando impelido pela dor dos maus tratos que sofria, refugia-se no fundo do quintal a chorar, sua mãe lhe aparece e diz-lhe: "Quem não sofre não aprende a lutar". A partir desse momento a mãe sempre vinha a seu socorro. Até que um anjo bom anunciado por sua mãe entra em sua vida: D. Cidália Batista, segunda esposa de seu pai, alma generosa e amiga que o acolhe juntamente com seus irmãos, ama-os e aconchega-os como se fora seus próprios filhos, a felicidade volta a reinar naquela família simples e humilde vivendo ao toque do amor que se alastraria no porvir para toda humanidade através das mãos abençoadas de um gênio de luz a serviço da mediunidade santa. D. Cidália não entendia o fenômeno mediúnico que acontecia com o filho querido, porém tinha toda uma compreensão especial para com ele. A madrasta desencarna em 06 de dezembro de 1960, aos 92 anos de idade.

Chico Xavier começou trabalhar muito cedo para ajudar no sustento da família numerosa. Em suas ações sempre se destacou pela humildade, responsabilidade e dedicação.

Entrou em contato com o Espiritismo em 1927, quando sua irmã Maria de Conceição caiu gravemente doente, um caso de obsessão. Nesse ínterim sua mãe reapareceu através da mediunidade de D. Carmem Perácio, após sete anos de ausência. D. Carmem Perácio teve uma visão de uma chuva de livros caindo sobre Chico Xavier, o que se configura hoje uma realidade presente.

O primeiro encontro com Emmanuel aconteceu em 1931. Sua primeira obra psicografada é Parnaso de Além Túmulo, publicada em 1932 pela FEB. Desde essa data prevalece o trabalho incansável desse homem comum, a serviço da Espiritualidade Maior. Toda renda do seu trabalho mediúnico está a serviço de instituições de caridade, nada lhe pertence, exceto o mérito de sua obra que é fantástica, um patrimônio espiritual à disposição do mundo.

A ciência comprovou sua mediunidade, os tribunais de justiça a reverenciam, reconhecendo-a e o sentimento humano abraçou-a de todo coração como uma bênção que caí dos céus, alívio às dores para os desesperançados, desalentados, sofredores e como imensa luz a iluminar o caminho de todos que descobriram a verdade imortal.

Parabéns Chico Xavier pelos 20 milhões de livros que saíram das tuas mãos abençoadas para o mundo inteiro. Recebe nosso preito de gratidão pelo teu amor à Doutrina Espírita, à mediunidade, à humanidade. Queremos de todo nosso coração que a tua luz, tua sabedoria continue nos envolvendo juntamente com nossos bondosos amigos espirituais sempre presentes em tua vida.

Tu és hoje a glória de quem soube a serviço de Jesus renunciar a si próprio para que os espíritos falem ao mundo.

Deus te abençoe sempre!

Fonte Bibliográfica:

(Jornal Verdade e Luz Nº 183 de Abril de 2001)