Responsabilidade é também lei de amor

Joanira Necas Soares

de Ribeirão Preto, SP

Quem maneja o leme somos nós. Quem responde pelos nossos atos, também. Ninguém jamais pagará pelos nossos erros ou enganos, como jamais colherá das nossas sementes.

Até que ponto estamos assumindo nossos compromissos morais perante a Doutrina Espírita?

Enquanto médiuns, o que fazemos pela ordem, organização, bem-estar dos nossos companheiros, pelo bom andamento do Centro Espírita que nos acolhe, indefinidamente, desde a proteção espiritual, o conforto material que nos aconchega, bem como a cadeira estofada, o ventilador, o copo descartável, a água filtrada, a energia elétrica, o ambiente limpo, higienizado, etc.

Será que todos temos consciência "do tudo" que recebemos da nossa Casa Espírita? Isso sem falar no amparo moral das nossas amizades intensas e duradouras, que nos acalentam a vida nos momentos difíceis.

Enquanto dirigentes, coordenadores, membros de diretoria, temos avaliado o desempenho dos nossos compromissos perante a espiritualidade que nos assiste e nos ampara , perante nossos irmãos que se vinculam conosco em nossos trabalhos espíritas? Quais são as respostas que se personificam em nossas ações, enquanto espíritas, diante dos nossos companheiros? Temos sido leais, solidários, honestos em relação aos princípios que pregamos?

Temos cumprido nossos deveres com retidão, sem desculpismo, sem fugas infantis? ou ainda somos daquele tipo que diz: "alguém pode fazer por mim?"

Somos ponto de apoio na construção da autonomia e dos projetos de nossa Casa Espírita?

Estamos alimentando os nossos sonhos de transformação moral, ou estamos chorando mágoas e ressentimentos?

Será sempre necessário sonhar… Projetar.. Construir… Somos sujeitos ativos em uma sociedade e a melhor forma de provar isso são as nossas ações. A Doutrina Espírita não pode mais conviver com discursos ignóbeis, vazios, sem fundamentação prática.

É preciso, é urgente que paremos de culpar os outros pelos nossos insucessos e dificuldades do percurso. Quando a responsabilidade fala mais alto, o amor se sobrepõe e energiza nossa vida de fluidos indissolúveis perante o negativismo que ainda nos cerca e assim nos tornamos fortes, nossa auto-estima se eleva e passamos a motivar naturalmente os que nos rodeiam.

A autonomia baseada no amor a Deus e nós mesmos, nos condiciona da dependência para a interdependência, nos faz pessoas melhores, mais sociáveis e nos ensina caminhar para "o evoluir sempre." E dessa forma progressivamente a consciência se aperfeiçoa, a mentalidade se dilata e nos tornamos colaboradores mais responsáveis e cada nível de responsabilidade reflete bem o nosso mundo interior.

Busquemos sempre que possível nos incentivarmos de objetivos, projetando e desenhando com as cores da benevolência um mundo novo, que se reflita em realidade de presente e futuro.

Crescer é deixar os sonhos vãos, as ilusões sem rumo, sem sentido, é estimular nossas potencialidades hoje, agora, usando o Livre-arbítrio, não para se fazer sobrepor nossos pontos de vista e sim como oportunidade abençoada de fazermos parte definitivamente dos planos divinos, isso acontece quando nos tornamos conscientes e responsáveis ante os compromissos que assumimos.

De nada representa "o posto" o cargo em si, que ocupamos frente às instituições humanas, somente o que construímos, nos eleva, nos diferencia. Somos os artífices de nós mesmos, a Doutrina já nos assegura; e construir é viver em plenitude os compromissos que esposamos.

A visão futurista que projetamos através da Doutrina Espírita, não nos permite mais desempenharmos nossas funções morais de qualquer maneira, ou ir levando como diz o ditado popular; é imprescindível que nos lancemos de corpo e alma, amando cada um com a sua capacidade, no entanto façamos tudo com amor. As tarefas pequeninas executadas com amor, persistência e dedicação, são todas grandiosas aos olhos de Deus.

A Lei de Amor tem que estar pulsando em nossos corações, só assim terá os reflexos naturais na produção que realizamos.

(Jornal Verdade e Luz Nº 185 de Junho de 2001)